#30DiasSemCarne | Minhas Experiências

No post de ontem eu falei um pouco sobre meu desafio pessoal de 30 dias e hoje, quero focar mais nas minhas sensações e experiências…
Nesse primeiro momento eu me propus a não comer carne de espécie alguma e nem derivados. Resumidamente, fiz um experimento ovo-lacto-vegetariano.

Mudanças no Corpo

Muitas pessoas acham que é frescura, mas logo nos primeiros dias, algumas mudanças interessantes aconteceram em relação ao odor corporal, fezes e xixi (não vou dar detalhes sobre isso aqui, não se preocupem hehehe); e, a pele: Estourou-me algumas espinhas na testa e no queixo (minha amiga veg. me disse que é super normal, porque é o organismo se desintoxicando). Meu cheiro não mudou, mas está mais suave e, pude comprovar isso após correr 40 minutos em um dia quente. Meu nariz e paladar ficaram mais apurados. Sinto cheiro da carne de longe e, quando não estamos comendo carne, o cheiro do frango é insuportável! Tão ruim, que me dá náuseas…
Após 2 semanas sem carne, reparei que a retenção de líquidos no meu corpo, diminuiu. Obs.: Não faço ideia se é por conta da falta de carne, ok? O fato é que eu incho por reter líquido e, vira e mexe, tomo chá de cavalinha para aliviar isso. A questão é que, não tomei cavalinha mês passado e mesmo assim, parei de ficar inchada. 😉

Mudanças na Alimentação

A questão proteíca é uma das grandes dúvidas das pessoas que querem aderir ao vegetarianismo e comigo não foi diferente. Pesquisei, questionei amigos vegetarianos, li sites de bons nutricionistas e, cheguei a esse resumo:
Também encontrei um comparativo super interessante entre as quantidades de proteína encontrada em animais e vegetais… são essas:
Única coisa de diferente do que costumo usar em casa que comprei, foi proteína texturizada de soja, que fica bem parecida com carne moída e, dá para fazer bolinhos, almôndegas, hambúrgueres, assados, entre outros…
Olhem um exemplo de prato que fiz… ficou parecendo kibe assado, delicioso e o marido aprovou!
Obs.: Essa receita levou 1 xícara de proteína já cozida e temperada + 1 xícara de farelo de aveia + 4 claras e 2 gemas, um pouco de leite – sal e temperos a gosto. Sucesso!
Como não estava comendo carne, inseri uma quantidade maior de hortaliças e grãos na minha alimentação. Os campeões entre vegetais desse mês foram brócolis e espinafre (amo). Também inseri maior variedade de frutas (é que se deixar, eu só como banana na vida hehehe).
Com a nova mudança, o marido ficou inspirado a inventar pratinhos nutritivos e gostosos, sem carne. Olhem o experimento dele – omeletão de brócolis feito no forno (que ficou delicioso):
Obs.: Monta-se como se fosse uma lasanha mesmo… ele colocou o brócolis, cobriu com um pouco de ovos batidos, colocou uma camada de batatas pré-cozidas em rodela e, seguiu até preencher a forma. No final, fechou com mussarela. 30 min. no forno e, enjoy! 😉
Bom, após a pausa para receitas (hehehe), continuando…

Pontos Positivos

  • Não é difícil tirar a carne do cardápio e se tiver boa vontade, é até divertido, porque tem um monte de receitinhas vegetarianas simples, fáceis de fazer e, que ficam deliciosas;
  • A culinária vegetariana é super rica, por isso, você nunca vai fazer feio ao receber os amigos em casa e oferecer-lhes alimentos sem carne, pois, além das comidinhas simples, há muitas opções de pratos mais rebuscados, vegetarianos;
  • Percebi que não tive nenhum ataque de refluxo nas últimas semanas. Neste quesito – estômago – a carne vermelha é uma vilã para meu organismo;
  • Percebi que a digestão está melhor também. Quem me acompanha sempre aqui no blog, sabe que eu tenho muita dificuldade para comer a cada 3h, porque meu organismo não absorve rápido o que eu como… demoro para fazer digestão e por isso, não tenho fome a cada 3h;
  • Não tive queda de disposição;
  • O odor está mais suave;
  • A pele está com melhor aspecto;
  • Acredito que não tenha tido nenhuma carência nutricional, mas como não fiz exames e nem consegui passar pela nutri ainda, não posso afirmar 100%. Mas, as minhas unhas paparam de quebrar (é bom sinal, né?).

Pontos Negativos

  • Se você não mora sozinh@ e a decisão de não comer mais carne for apenas sua, nem sempre a outra pessoa vai ter saco de colaborar com a sua decisão (é por isso que eu mencionei no outro post, que o ideal é se preparar psicologicamente e, planejar bem, pois cada indivíduo é responsável por si mesmo e, se tentar moldar alguém a fazer apenas o que você deseja, iniciará um grande conflito à longo prazo);
  • A sua opção de pratos em restaurantes e lanchonetes, ficam completamente reduzidas. Tem pouquíssimas opções e, as poucas que têm, geralmente não são gostosas (e olha que eu moro em sampa, ein?).
    Dicas: Tente pesquisar restaurantes, bares e lanchonetes na sua cidade, que possua um cardápio um pouco mais diversificado. Mandar e-mails com sugestões de cardápios para os seus restaurantes preferidos também é uma boa ideia e, se for convidad@ a ir em algum lugar que não conheça, entre no site, pesquise o menu, entre em contato com o lugar, dizendo que vai visitar o local com amigos vegetarianos (pode ter certeza que eles darão um jeito de lhe agradar);
  • Se tiver amigos “amantes de churrasco“, vai ter de elaborar um plano para participar dos encontros, afinal, não podemos deixar a nossa vida social e convívio com os amigos, por conta das diferenças nutricionais;
  • Ainda sobre churrasco – algumas pessoas não respeitam a sua decisão de não comer animais, e vão ficar insistindo – “É só um pedacinho…” ou, “mas é só frango!” (como se frango e carne fossem muito diferentes) – ou ainda, não vão te dar preferência na hora do queijo coalho ou do pão de alho. É necessário vestir-se de PACIÊNCIA!;
  • Tem também as avós ou pessoas muito idosas, que vão insistir para que você coma ou ainda, ficarão chateadas quando você negar comer algo que ela fez com tanto carinho… Não poderei dar dicas sobre isso, porque a postura de cada um é muito particular. A minha é dizer não gentilmente e mentir que não estou com o estômago muito bom ou, que sou alérgica (sempre funciona). Porque quando a pessoa é muito idosa, ela se magoa com facilidade. E tem coisas, que a pessoa não vai entender nunca…

O que eu decidi?

Resolvi abandonar de vez a carne vermelha e, diminuir a ingestão da carne branca. Eu voltei a comer frios, mas de uma forma bem mais moderada. Eu não sou muito chegada a frango, mas de vez em quando eu como um grelhadinho… amo peixes, amo comida japonesa e, se tiver de abandonar tudo de uma vez, vou me sentir em privação (e privação gera sofrimento) – lembram do outro post, quando disse que a coisa tem de acontecer naturalmente, sem intervenções de terceiros e sem dor? 🙂

Finalizando…

Se você tem vontade de parar de comer carne, faça um teste. Experimente fazer o desafio de 30 dias sem carne, você vai se surpreender com a quantidade de benefícios que trará para o seu organismo, para seu corpo e principalmente, para os animais.Indico muito a leitura “Como se tornar um vegetariano do jeito mais fácil?

Você sabia que cada vegetariano salva por ano, cerca de 85 vidas?

Um ovo-lacto-vegetariano (que é o cara que não come carne e nem derivados, mas come ovos, leite e derivados) – salva por ano, cerca de 50 vidas.

Um vegano (que não come e nem usa nada de origem animal), salva cerca de 178 vidas.

Comentem… O que vocês pensam sobre isso? 🙂

7 Comentários


  1. Acho lindo sinceramente…
    Acho um horror a matança de animais, gostaria muito de ser vegetariana, mas teria que ser bem aos poucos..como pouquissima carne,vermelha praticamente nenhuma, mas totalmente é dificil..

    Responder

  2. Cintia adorei seu post de hoje. Quanta informação!!! Achei todo o post super interessante mas principalmente o fato do cheiro da gente mudar e da pele melhorar é muito legal. Adorei as receitas nham nham nham, olha to pensando seriamente em tentar por 30 dias e ver o que acontece!!! Se tiver mais coisas pra contar sobre isso conte por favor!!! e ponha receitinhas também!!! Que bonitas as imagens, dá agua na boca

    Responder

  3. Cíntia, como esse post tem muito a ver comigo, rs, eu poderia comentar um milhão de coisas, mas preferi puxar a brasa pro meu assado (de pimentão), e falar dos aspectos negativos que tu encontrou: todos, ou a maioria deles, são de cunho social, e por serem assim, com o tempo eles tendem a diminuir, pois as pessoas se acostumam com a idéia!
    Quanto a comer fora, isso será um problema eterno, mas se pararmos para pensar, também não é um saco encontrar alimentos saudáveis fora de casa, mesmo que eles tenham carne na composição? Eu sempre opto por comer em restaurantes com buffet qdo saio com onívoros, pois lá, na pior das hipóteses, eu tenho muitas saladas e frutas para comer. Já jantares nas casas de amigos eu levo com mais tranquilidade, pois se for prato único ou eu me "candidato" a cozinheira, ou eu levo um prato e todos comem felizes, já em churrasco é bem mais fácil, pois legumes assados, arroz, saladas e acompanhamentos de churrasco em geral são vegetarianos.
    Quanto a pessoas mais velhas lembro sempre de uma tirinha em que o menino fala pra avó: – Vó, eu sou gay! – e ela responde: – Gay é aquele que não come carne? – o menino: – não, eu transo com outros homens! – ela: – que bom, é muito importante comer carne! 😀
    Eles não vão entender, não adianta… Minha vó, quando viva, dizia que ela queria comer e não podia, e a gente ficava de frescura… Com eles o jeito é aceitar e entender o que pensam mesmo.
    Desculpa o super comentário!
    Beijão

    Responder

  4. Amiga!!! Adorei o post!!!!
    Nossa e bom saber o que passamos quando decidimos tomar um novo rumo na vida!
    E a carne e tirar algo que tipo! Somos a vida toda conhecido como comer a carne! nao sei se eu consigo ficar sem!!! mas preciso!!!!!
    Evito comer ela todo dia na semana!!! para nao forçar tanto o rim!
    mas o bom e que posso colocar outras coisas no lugar!!
    amei a dica e vou pegar pra mim as receitas!!!
    beijos amore

    Responder

  5. Sabe, eu tô nessa de diminuir o consumo de carne. Já tem tempos que não como carne vermelha, apenas branca. Tenho muita vontade se abandonar de vez. Tenho consciência do bem ambiental e tudo mais porém não vivo sozinha e seu post falou tudo que sofro com os carnívoros daqui de casa. "Ah mãe, faz carne moída" ou "Eu quero tanto um bifinho de lombo de porco…" É um saco, mas tô levando. Proteína de soja aqui não é problema, todo mundo gosta então faço sempre. Parabéns por ter conseguido os 30 dias sem carne. Vou levar esse desafio para frente. õ/

    Responder

  6. Bacana! O consumo reduzido, que é o que tenho feito, já traz benefícios â saúde e reduz nosso impacto ambiental. Frios como muito raramente pela questão dos conservantes e do sal, e devo dizer, não sou lá muito fã, então não é algo difícil de eu não comer. Tenho ficado só no peito de frango e nos frutos do mar (que não posso abusar senão me dá alergia).
    Beijocas 🙂
    Carla Pancha

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *