A Compulsão, Eu e a Nutricionista

No post que fiz a respeito da minha ida à Nutricionista (aqui), recebi um comentário da Carla, questionando sobre como foi a abordagem da nutri em relação a compulsão alimentar (que é um dos meus maiores problemas nesse processo). Achei muito pertinente a pergunta e por isso, resolvi escrever um post para explicar como foi…Resumidamente: A compulsão pode ser diferente para cada pessoa, e desencadeada por gatilhos diferentes. Aprendi nos Comedores Compulsivos Anônimos que quem tem constantes crises compulsivas, além de verificar o estado psicológico, tem de avaliar se o organismo acostumou com determinado alimento. Tem pessoas que se viciam em gordura; outras se viciam em carboidratos processados e, tem pessoas como eu, viciadas em açúcar.

 

Como é uma crise compulsiva?  

O exemplo a seguir, está de acordo com as minhas experiências. Cada pessoa pode desencadear diferente, ok?

Inicia-se com um tremor interno, que leva a uma vontade súbita de comer. Essa vontade vai crescendo e expulsando da mente, todo e qualquer pensamento que não seja comida. E a sensação é tão forte que parece que se eu não comer algo doce, vou morrer. O único pensamento é “preciso comer, preciso comer”. Vou atrás de comida, pego toda coisa doce que vejo pela frente e como. Essas crises têm um curto período de tempo… eu nunca levei mais que 20/30 minutos para me entupir de comida. Certa vez, havia me desfeito de todos os doces de casa e, resolvi atacar todas as frutas que vi pela frente. Eu comi em 15 minutos: 4 bananas, 2 maças e um abacaxi inteiro de uma única vez. Geralmente, quando o doce acaba, inicia-se a mistura de salgado e azedo… e eu só paro de comer quando meu estômago não suporta mais.  Percebi que essas crises são muito comuns quando saio de alguma festa ou situações onde consumi doces. E é um horror quando acontece, porque quando eu tenho uma crise, tenho muita dificuldade de retomar o foco e, acabo tendo outras crises dias depois. Entendem agora porque a minha psicóloga me sugeriu que eu procurasse um psiquiatra?

Na minha opinião, a parte mais nociva da compulsão é o sentimento que dá depois. Gente, é uma vergonha tão grande… uma sensação de derrota, de pequenez, sabe? Toda vez que tenho uma crise compulsiva, fico dias deprimida. E a estratégia do momento é me tratar de maneira multi-disciplinar (Terapia, nutrição, psiquiatria e homeopatia).A Abordagem da Nutri

 

Minha conversa com a nutri, girou bastante em cima do açúcar (pois o açúcar é efetivamente o “gatilho” que me impulsiona a perder o controle).
Identificamos que, nos meus cardápios anteriores, havia excesso de doces (que eu devo evitar urgentemente), mas expliquei a ela, que meu organismo grita, como se eu fosse uma pessoa em condição de abstinência e, se eu não comer um doce, começo a comer tudo o que vejo pela frente (pois é, tem essa também). Por outro lado, quando como um doce, não consigo comer apenas um pedacinho, ai já viu!
Dra Thais me explicou que além do açúcar em si, doce chama doce. Isso faz parte da necessidade que o organismo tem de gerar energia, muitas vezes causada pela falta de carboidrato ou longos períodos em jejum (que era o meu caso).
Já que meu organismo pede doce, a estratégia sugerida (e que estou experimentando esse mês para ver como me sinto), foi o aumento das porções de frutas e, inserção de castanhas, frutas secas e iogurte nos lanches. Também ouve uma adição de carboidratos nas refeições principais e, sugestão de uso das capsulas de óleo de prímula (uso apenas na semana da TPM, que é a fase em que meu corpo mais pede açúcar).
Eu sugeri que a Dra Thaís escrevesse um post como minha convidada, com dicas bacanas para pessoas com esse tipo de transtorno e detalhando melhor sua abordagem, mas esse é um post sem prazo, porque no momento ela está com muitos compromissos. De qualquer maneira, espero que tenham gostado desse post e, que ele seja útil a alguém.
Fé em Deus e pé na taba!

11 Comentários


  1. Parece uma coisa tão simples, não é? As pessoas nos perguntam: Mas por que não tem controle? Normalmente, quem pergunta isso é magrinho…infelizmente, é difícil controlar. Durante muito tempo relutei em tomar remédios, receitados pela psicóloga, por que eu própria achava que teria controle, só que não. Tomei a medicação por 1 ano, até que os sintomas da ansiedade fossem amenizando, hoje, posso dizer que se não tenho 100% de controle, tenho quase isso. Agora, o que preciso é disciplina..kkk
    Sei que se "escorregar" não é o fim do mundo, que posso retornar de onde parei, mas que o melhor mesmo é seguir enfrente, pois os resultados virão mais rápido.

    beijos

    Responder

  2. Minhas compulsões me detonam.. quando estou em crise fico com a razão comprometida.. funciono no automático.. só me dou realmente conta depois da "cagada" pronta, estou fazendo uso de ansiolitico que amenizam as compulsões mas não resolvem o problema..bjokas lindeza e sucesso sempre

    Responder

  3. Pois é Cintia, você está certíssima em perceber o problema e procurar ajuda. Adorei o post porque explica muita coisa que eu sinto e não entendo.
    Vá nos contando na medida do possível as coisas que está descobrindo. Pra mim tem sido um alento muito grande descobrir que não sou a única. Desde que conheci vc e o grupo minha vida mudou pra melhor e continuará mudando. Bjos amiga e boa semana

    Responder

  4. Ai. Compulsão. Saco. Eu não como até encher ou não conseguir, mas ainda assim é muito, quando dá a coisa. Não sinto tremedeira nem nada, mas a questão da expulsão dos pensamentos, eu me identifiquei. Saco.

    Responder

  5. Aii menina..tenho esse mesmo problema…
    Muito dificil lidar com isso, supérar.
    Tem hras que me sinto confiante mas derrepente tudo desaba!

    Responder

  6. Meu vício/compulsão Maior sempre foi em doces, e se não tinha chocolate, balas, chicletes, jujuba etc, eu comia até açúcar. Estava dependente e achava que era "normal" gostar tanto de doces, era o meu prazer. Quando entendi que pra continuar viva precisava controlar esse desejo insaciável por doce, já estava muito doente. Hoje digo que doces é às vezes. O segredo é não comprar. É difícil no começo, mas é pior estar doente.
    Bj Cíntia e ótima semana!!

    Responder

  7. SIMPLESMENTE ÓTIMO POST….GENTE ESSE COMPULSÃO É HORRIVEL.
    AGORA PENSA EM CONVIVER COM UM PACOTE DE BOMBOM SONHO DE VALSA NA GELADEIRA……QUASE MORRI DE MEDO….DE DEVORAR TODO ATÉ DOER O ESTOMAGO….FIQUEI COM MUITO PANICO…..

    ESCREVI VÁRIOS POST SOBRE O ASSUNTO…POIS ESSE PRA MIM É MEU ABISMO
    E PRECISO APRENDER A LIDAR COM ELE!!!!

    BJS
    AMEIIII O POST
    AGUARDO TUDOOOOO SOBRE O ASSUNTO
    GRAZI

    Responder

  8. Minha compulsão é por sanduíches / pão / mc donalds…
    não consigo comer 1 só, como 4, 5 sanduíches…
    E qdo começo acabo repetindo esse comportamento nos próximos dias…
    É realmente muito triste.
    Eu frequento as reuniões do CCA, faço terapia… me ajuda bastante!

    Responder

  9. Oiiiii Cíntia *-*

    Adorei o post e acho que me encontrei um pouco em algumas coisas. Não como em pouco tempo, mas tem dias que volta e meia estou beliscando algo gordo… Tô conseguindo superar aos poucos. Hoje o dia está sendo perfeito.

    Beijo Charmoso :*

    Responder

  10. Muito interessante. A minha compulsão é um pouco diferente, eu fico inquieta enquanto não coloco um carboidrato na boca (lê-se macarrão). Dor de cabeça e incomodo… Mas a gente se supera no dia a dia. Aprendi a coloca-lo na minha vida sempre mas de forma moderada. Sempre devemos procurar ajuda e nos entender pra lidar com essas dificuldades!

    Força sempre Cíntia!

    Responder

  11. A minha nutri me passou tipo um diário alimentar para eu fazer durante 8 dias… além de anotar tudo que eu comia, eu tinha que dizer qdo tive compulsao e que horas… Menina… eu tenho compulsao de tarde para a noite… TODOS OS DIAS. Puxaaaa… agora me conhecendo mais estou praticando hábitos para driblar a compulsão. Não é facil… mas como vc diz: FÉ E PÉ NA TABUA! Amooo vc, Cinti… continue nos incentivando

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *