Como anda a sua relação com seu corpo?

Fonte da Imagem
Fanpage “Moça, você é machista

Outro dia, em um bate papo com minha amiga virtual Ana Brasil, (sim, é a mesma Ana que mencionei nesse post aqui) – quando ela me questionou se eu já tinha ouvido falar do projeto: Apartamento 302.

Em Apartamento 302, mulheres comuns, com seus corpos “não-perfeitos”, posam completamente nuas contra uma parede branca do apartamento 302 – que segundo Jorge Bispo (fotógrafo idealizador do projeto), é um cantinho destinado à beleza de tudo o que não é perfeito e editado.

As fotos são simples e lindas.

Mostram a beleza na naturalidade das moças.

Ainda que com ossinhos, celulites e dobrinhas; é tão bonito ver a leveza das moças, que fiquei extasiada olhando as imagens…

Abaixo algumas fotos do artista:

 

 

Entendi finalmente que o que me encantou tanto nesse trabalho, foi que ele captou: a auto-aceitação de cada uma delas.

Fonte da Imagem
Pesquisa Google

No geral, eu acho esse tipo de trabalho muito lindo. É a expressão da liberdade de quem se gosta mesmo sem corresponder aos padrões…

No mesmo dia em que conheci esse trabalho, a própria Ana me indicou o projeto original, que é muito mais visceral – diria – o The Nu Project.

Trata-se da nudez desmascarada.

O nú, sem filtro de câmera ou photoshop – onde o que realmente é importante, é mostrar a mulher de verdade: mulheres gordas, magras, barrigudas, com pelancas e cicatrizes…

Uma das coisas mais perturbadoramente belas do projeto original (na minha opinião, claro), é que as imperfeições são o destaque.

O chamado “Nú honesto“, foi uma iniciativa de um fotógrafo de Minneapolis (EUA), chamado Matt Blum. As fotos mostram a mulher, como ela é.

São retratos de mulheres de todas as idades e etnias  Lindas, mesmo com suas imperfeições. Mulheres fotografadas em suas casas, em momentos cotidianos. Abaixo alguns retratos do artista:

 

 

 

 

Fiquei horas falando com a Ana sobre as nossas impressões a respeito dessas fotos e deixo com vocês, uma reflexão da Ana, que particularmente, me fez pensar bastante:

“(…) Infelizmente, massificam tanto a gente com as imagens da tv e da mídia – todas escolhidas a dedo para corresponder a um padrão global e depois ainda ‘photoshopadas’… isso não é nada justo.
Mesmo sem querer, somos hipnotizadas e começamos a achar que tem um tipo de peito “certo”, um tipo de bunda “certa”. Você sabia que a cirurgia intima vem aumentando muito? porque? Porque as mulheres querem entrar numa pasteurização da periquita!

Sim, porque nos filmes pornôs, por exemplo, colocam uma “periquita padrão”.

A periquita padrão é aquela em que os grandes lábios tapam todo o recheio (digamos assim) – periquitas mais “oferecidas” são vetadas.

Você abre a playboy e só vê periquitinhas fechadas… aí quem tem diferente fica se sentindo anormal.

Me fez bem ver essas fotos. Foi como uma lufada de ar oxigenado no meio dessa pasteurização de perfeitinhas.

Foi legal ver vários estilos de peito, de barriga, de cintura…”

Realmente, é bem complicado desmistificar o que aprendemos desde pequenos… até nos desenhos animados de hoje em dia, as princesas são perfeitas. O cabelo delas, o corpo, os príncipes…

Espero que reflitam sobre isso e comecem um novo processo de amor-próprio. Aceitem-se. Amem-se. Você é perfeita, do jeitinho que você é 🙂

Aproveitando o tema do post, fica aqui o desafio da semana:

20 Comentários


  1. Cíntia,
    Já tinha visto esse trabalho, é lindo!
    Concordo totalmente com a reflexão da Ana. Infelizmente nunca estamos satisfeitas com a gente em todos os sentidos. Se chove queremos sol, se tem sol queremos frio, as crespas querem cabelo liso, as lisas o crespo e assim a gente vai indo.

    Beijo Charmoso :*

    Responder

  2. Estou amando seus últimos posts 🙂 são textos com alma, se percebe que você está pondo seu coração nos processos que está vivendo.
    Não é simplesmente um blog sobre emagrecimento, mas o conteúdo sincero dos seus momentos e das suas evoluções, que se confundem com as minhas.

    Responder

  3. Um ótimo post pra se refletir, Cíntia! Gostei do assunto…
    Sabe, antes de ter filhos, eu era muito mais encanada. Hoje em dia, quando olho no espelho e começo a ver defeitos, na hora já paro e penso: esse corpo é perfeito porque foi ele que gerou e nutriu as duas pessoinhas que eu mais amo nesse mundo. E fim de papo! 😉
    Uma ótima semana!
    bjs

    Responder

  4. Cintia bom dia. Meu deus !!! esses dois últimos posts mexeram comigo (o de hoje e do Dove). preciso urgente me amar mais e me aceitar. Claro que depois que conheci você e o blog estou bem melhor mas ainda tenho um caminho a percorrer. Obrigado por mostrar que sou linda do jeito que sou e que eu tenho que aprender a enxergar isso!!!! bjos amiga e estou com saudades

    Responder

  5. Olá Cíntia!
    Eu sei que não comento sempre, mas sempre venho aqui. Gosto de ficar só observando o teu projeto e, às vezes, sigo junto.
    Mas hoje, hoje não poderia deixar de comentar!
    Você tocou num ponto que sempre me inquietou, os padrões!
    Eu sou totalmente fora dos padrões e hoje em dia, até meu cabelo eu quero exibir fora deles. Tô em transição para o cacheado. *o*
    Sei que não me aceito completamente ainda, é difícil, haja vista a nossa socialização dentro de uma sociedade – e nós estamos incluídas nela, reafirmando com nossas atitudes e preconceitos aquilo que aprendemos – mas tô evoluindo.
    Parabéns pelo post!
    Vamos nos elogiar! 🙂

    Responder

  6. Olá Cintia, seu blog é realmente muito bom, adorei a ultima postagem , a forma que abordou o assunto. Isso é bem real mesmo, aprendemos o que é certo ou errado, bonito ou feio, mas sabemos que nada disso é o que interessa, o que é importante é o que somos como pessoas, nossa atuação, forma de se expressar. Conheço uma pessoas que pesava 205 kilos e pós bariátrica perdeu o marido perdeu o desejo, pois mudou, não era mais a mesma pessoa.
    Então essa reflexão sobre formas é fantástica. Um super beijo

    Responder

  7. É uma ótima reflexão. Eu penso que o xis da questão é não se deixar invadir pelos padrões de outras pessoas e sim pelos seus padrões pessoais não só de beleza como morais, de conduta, etc. É ser fiel à si mesmo. Meu padrão de beleza sou eu mesma há alguns anos atrás. Não quero ser ninguém além de mim mesma, nem ter o peito x, bunda y. Isto é ilusão porque ainda que a pessoa alcance este padrão de mídia, quando chegar lá vai ver que não é isso que traz felicidade. Plenitude vem de dentro e não de fora.
    Esta questão de se aceitar, ok, é preciso. Mas eu penso que se aceitar também não é se acomodar: é fazer o melhor para si (ditado por si mesmo) respeitando os limites naturais de seu corpo e de sua saúde. Se as mulheres das fotos estão genuinamente bem consigo mesmas desta maneira, ótimo! E eu bato palmas pra elas, pela coragem de se expor (eu mesmo se tivesse corpo "perfeito" jamais faria fotos assim). No entanto, não é autodepreciação querer melhorar o corpo como não o é querer melhorar outros aspectos de nossas vidas. O que não é sadio é virar obcessão, anorexia, bulimia, depressão, frustração, etc.
    Esta primeira foto é simplesmente o máximo. Vi pela primeira vez lá no Moça, você é machista! Muito boaaaa!!!
    Obrigado pelos comments la no bloguito 🙂
    Beijocas e ótima semana!!! 🙂
    Carla Pancha

    Responder

  8. Gostei demais desse assunto! Este post nos faz refletir sobre padrões e nossa própria exigência com o que "achamos" ser o correto, o perfeito! Deixamos o que temos de mais valioso dentro de nos para nos preocupar com nosso lado de fora e os padrões que a mídia nos impõe!

    Responder

  9. É um trabalho lindo mesmo, mas muitas vezes nem acho que é questão de auto-aceitação. É questão de saúde e bem estar. O obeso sofre, e muito! Eu sempre me amei muito, mas mesmo com um sorriso no rosto, esbanjando todo o charme e peito que eu podia, a hora de sentar e ter dificuldade de amarrar/abotoar um sapato, de não ter folego pra dançar mais que uma música, ser impossibilitado de fazer várias coisas que você gosta, não é tão bonito quanto essas fotos. Acredito sim que a gente tem que se respeitar mais, conhecer nosso corpo e suas limitações, mas não podemos nos acomodar com o "não saudável", com a falta de qualidade de vida.

    Um abraço querida!

    Responder

  10. esse post ficou show … uma matéria digna de capa de revista para que não só nós que não estamos nos padrões de beleza, como as que acham que são tão glamorosas a ponto de diminuir uma gordinha possa entender que cada mulher é maravilhosa ao seu modo como não somos uma igual a outra temos cada uma a sua beleza seja o cabelo, a unha, o pé e etc nos mínimos detalhes cada uma de nós tem uma beleza contagiante.
    Um post deste quebra as regras de que temos que ser magras lisas e loiras basicamente fala sério somos lindas ao nosso modo. AMEY
    O POST PARABENS MAIS UMA VEZ.

    Responder

  11. lindeza.. vc ta de super parabéns pela postagem.. adoro esses documentarios porque mostram que a gente nao precisa ser perfeita.. a gente só precisa ser amada e aceitas.. por nós mesmas ..rs.. bjokas e sucesso

    Responder

  12. Post excelente. Eu acho muito legal essas iniciativas, mas também sei o quanto é difícil deixarmos de lado o visual que nos é ensinado como "certo" desde pequenos, né?!

    Então acabamos vivendo nessa luta interna sobre o que é realmente bonito ou não.

    Adorei o post, muito bom mesmo!

    Beijinhos

    Responder

  13. Serei bem sincera: estou de bem com meu corpo há tempos e há anos não ligo para padrões. Sério. É bem verdade que antes de emagrecer, estava chateada com o excesso de peso, mas tinha bastante a ver com o medo da saúde. Mas não era o suficiente para me deixar derrubada. Eu, gordinha, era terrível, haha! Vai ver, por isso eu não me livro dos últimos 5kg e fico oscilando há mais de um ano, hahahahaha! E esse tipo de trabalho é muito interessante para derrubar conceitos que estão na mentalidade social. Mas só isso e ficar jogando na internet pessoas, de todos os tipos, nuas, não adianta para mudar essa mentalidade. A gente tem que trabalhar a cabeça e procurar mudar o dia a dia. Parar de julgar-nos, julgar aos outros, seja por causa do corpo, da condição, do jeito, do que veste…consumir menos o que nos é imposto. Eu não compro revista de dieta, por exemplo, não quero contribuir com troço, mesmo que tenha uma matéria interessante, pois traz na capa uma pessoa bonita dentro de certos padrões e "ajudada" por recursos de manipulação de imagem (o que não siginifica que eu não possa admirar a tal pessoa). Porque eu vou comprar uma mentira?

    Responder

  14. Parabéns pelo excelente post!

    É importante ter alguém nessa blogosfera light que apoie o amor ao próprio corpo, mesmo que imperfeito. Às vezes fico com medo do que as pessoas são capazes para se adequar a essa beleza "pausterizada" (gostei disso rsrs).

    Já conhecia os dois projetos e gosto muito. Gosto muito também do "The Adipositivity Projecty", esse vai um pouco além por mostrar mulheres obesas como eu, o que não é muito bem aceito. Mas louvável toda e qualquer iniciativa que tenha a intenção de elevar a autoestima de qualquer pessoa, independente do quesito saúde, embora não o desconsiderando. Amar-se é uma forma de ter saúde. Uma das várias formas. Quanto mais você busca a saúde da mente e do espírito, mas fácil é encontrar a saúde do corpo. E assim caminha a humanidade.

    Parabéns mais uma vez!

    Beijossss

    Responder

  15. Adorei seu blog ,as reflexões li seus ultimos posts amei ,já estou seguindo ,eu preciso me aceitar urgente como sou é muito massacre na nossa estima com esses padrões pré estabelecidos um gde beijo

    Responder

  16. Menina adorei o site fiquei um tempao olhando as fotos muito lindas. è isso mesmo, temos que valorizar nossas curvas mesmo que nao estejam nos "padrões" que a sociedade quer e nos obriga a sermos ou pelo menos parecermos. Um super beijo pra vc e fica com DEUS.

    Responder

  17. Pois é Cintia… a gente tem que gostar da gente mesmo né??? Não é só se aceitar e não correr atras de melhorar, mas é se gostar de tudo na gente.. Eu me amo.. eu me acho linda… mas uma coisa que tenho que aprender é começar a fazer minhas vontades, faço muito a dos outros..

    Adorei essa matéria… muito legal e compartilhei com uma amiga que não se gosta muito… de pouquinho em pouquinho as pessoas aprendem né??? a gostar de si mesma…

    Muito legal!!! Beijus

    http://www.rumoao70.blogspot.com.br

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *