Pense Magro #4 – Pensamentos Disfuncionais: Quais são os seus?

Oi, oi magreletes! Estoy de volta!!! 😉

Hoje, vou postar a última atividade antes de começarmos as tarefas do livro Pense Magro… Essas atividades me foram ensinadas pelo terapeuta e, vou dividir com vocês!

Crenças Limitantes!

Nós temos um sistema de crenças (que nada mais são, que a nossa visão de mundo). Alguns padrões de crenças, nos são passados pelos nossos pais, professores, pessoas próximas, enfim… outros, são crenças que nós mesmos vamos alimentando através das nossas opiniões e vivências. É necessário que vocês compreendam que são as nossas crenças limitantes que costumam gerar pensamentos automáticos e disfuncionais!

Por exemplo:
Você fica enrolando, enrolando e acaba não indo à academia…
Pensamento:…eu perdi academia, vou virar um tribufu assim!” – Isso é um pensamento disfuncional, que possivelmente tenha surgido, porque você acredita que só será capaz de emagrecer se fizer academia.

Para racionalizar esse tipo de pensamento, tente ponderar: você não foi à academia HOJE, isso não vai fazer você virar um “tribufu“. Você só faltou à academia, acontece!
Dê-se os créditos por ter mantido a alimentação equilibrada e siga em frente!

Essas crenças, acabam sendo internalizadas em nós e, consequentemente, participam de boa parte dos nossos pensamentos automáticos. Não há problema nisso. O problema surge, quando as nossas crenças limitantes, ou seja, pensamentos irreais à respeito de nós ou do que nos cerca, acabam nos fazendo mal.

Para Aaron T. Beck (pai da Judith Beck – escritora do livro Pense Magro) e, respeitável nome da Terapia Cognitivo Comportamental, existiam 13 tipos de pensamentos disfuncionais. Anos mais tarde, um cara chamado Robert L. Leahy (Psicólogo, professor, escritor e pesquisador da TCC), recebeu o prêmio Aaron T. Beck por contribuições relevantes à Terapia Cognitivo-comportamental. Uma delas foi, acrescentar mais 4 tipos de pensamentos disfuncionais à tabela, totalizando assim: 17 tipos.

Abaixo, vocês terão acesso à tabela tirada do livro do Robert, chamado: “Técnicas de Terapia Cognitiva – Manual do Terapeuta“.

Tarefa

Leia cada uma dessas crenças e procure identificar quais são os mais corriqueiros na sua rotina…

Para facilitar a atividade, lembram-se da tabela do post anterior (que vocês preencheram?); Verifique os pensamentos automáticos e tente relacionar a eles, os pensamentos disfuncionais da tabela abaixo. A atividade parece ser simples, mas é difícil pacas! rs…

Para vocês terem uma ideia, fazendo as atividades anteriores, descobri que eu não tinha consciência do que era emoção (propriamente dita).

Por exemplo, para certas coisas, eu dizia que me sentia desrespeitada. Só que “desrespeito” não é um sentimento! Então, para facilitar, abaixo eu vou deixar uma tabela de sentimentos para vocês serem norteados, tá bem?

E para quem tiver condições, super recomendo que procurem um profissional que trabalhe com Terapia Cognitivo-Comportamental para auxiliá-los com as tarefas. É tão mais eficaz! 🙂

Como fazer?

Questione-se!

Situação:
– Qual o fluxo de pensamentos, devaneios ou recordações levaram a emoção desagradável?

Pensamentos Automáticos:
– Quais foram os pensamentos automáticos que passaram pela sua cabeça?
– Quanto você acredita em cada um deles (de 0 à 100%)?

Emoção:
– Que tipo de emoções você sentiu (tristeza / raiva / ansiedade; etc)?
– Qual a intensidade dessa emoção (de 0 à 100%)?

Uma vez que se racionaliza que estamos tendo pensamentos disfuncionais, somos capazes de dar respostas adaptativas a eles.

Para elaborar suas respostas adaptativas:
– Faz sentido o que você pensou?
– Tente verificar se não está sendo muito hostil consigo mesma…
– Atente-se para ver se não está generalizando ou caindo em quaisquer uma das distorções cognitivas exposta na tabela acima.

  • Responda a esses pensamentos de maneira adequada. Por exemplo: 

1 – REGISTRE

Diante do espelho eu pensei: “Sou tão gorda e horrorosa que nem tenho vontade de sair de casa“.

2 – RACIONALIZE

SER” é um estado permanente. Você nasceu obesa? (Não) >> Você já foi magra? (Sim) >> Então você não é uma “gorda horrorosa“, certo? Você apenas “ESTÁ” gorda. Isso é mutável. Quanto ao “horrorosa” – beleza ou falta dela é relativo e variável para cada um de nós. Estar horrorosa é uma crença SUA!

Então – vamos re-adaptar esses pensamentos?

3 – REPONHA

“Estou acima do peso. Vou começar a agir para emagrecer e assim; me sentir melhor comigo mesma.”

Então teste:

Bom, é isso… a partir do próximo post, já poderemos iniciar as tarefas do livro Pense Magro.

Espero que os posts estejam auxiliando vocês em suas buscas por auto-conhecimento.

Fé em Deus e pé na taba!

Com amor,

Cíntia Milanese

11 Comentários


  1. Excelente post, como sempre!
    Quanto as emoções, muita gente possui dificuldades em identificá-las, viu!
    Agora me diz uma coisa, você sabe o porque da quantificação dos pensamentos e sentimentos na TCC?

    Beijos,

    Selma

    Responder

    1. Oi Selma! 😀
      Sei sim… pretendo comentar isso num outro post. Mas se você quiser adiantar alguma coisinha aqui, as magreletes vão gostar! Beijinhos…

      Responder

  2. Olá! Depois de ler sobre o livro Pense Magro aqui decidi comprá-lo. Comecei a leitura ontem e estou AMANDO! Muito obrigada pela dica!
    Beijinhos*

    Responder

  3. Ai jente não sei mais o que fazer horas consigo e quando penso que tudo vai bem ja tenho saído do foco,ai me estresso ,me decepciono comigo mesmo por mais uma vez não ter conseguido,fico e cada vez mais gorda .Me sentindo triste.desculpa o desabafo

    Responder

    1. Telma, minha querida. Primeiramente, seja bem vinda! Eu te entendo. Já me senti assim inúmeras vezes. Não é fácil. Mas é possível sim, começar a trabalhar para se entender. Compreender os motivos que te levam à compulsão alimentar, ajuda muito. Um beijo e volte sempre.

      Responder

  4. Pra variar, um post daqueles cheios de conteúdo! Gratidão por compartilhar conosco!!!! É, eu tenho vários pensamentos disfuncionais, e vendo-os assim em tabela fica tão mais fácil de visualizar!

    Por sinal ainda não fiz minhas tabelas, mas tenho pensado que o quanto antes eu o fizer, melhor!

    Que ótimo que está se empenhando no seu autoconhecimento! Emagrecimento será a consequência natural disso!
    Beijos e tenha uma ótima semana!

    Responder

    1. Oi Mi, não deixe de fazer as tabelas. Somente elas nos dá uma visão exata dos nossos tipos de pensamentos disfuncionais. E a gente só consegue se munir contra esses pensamentos, nos conscientizando deles. Boa semana lindona! <3

      Responder

  5. Acho o que me faz ficar ansiosa e com isso meter os pés pelas mãos é a ideia fixa em que tenho que emagrecer e cabo fazendo o que o texto fala,me fazendo criticas destrutiva,to tentando mais uma vez e colocando em minha mente que vou conseguir e que não estou tão feia rsrs,só tenho que melhorar.bjs obg pela força cintia:*

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *