Você sabe ouvir o seu corpo?

Quando você para de lutar e se permite escolher o que vai comer, é como se soltasse uma das pontas da corda que estava puxando. Quando solta o seu lado, a corda cai imediatamente no chão. Para haver guerra são necessários dois lados. Quando decide que vai ouvir o que você tem a dizer em vez de prestar atenção à contagem de calorias ou aos seus medos, você não tem motivos para se rebelar. Não há nada que você não possa ter amanhã, por isso não há motivo para comer tudo hoje. Geneen Roth no livro: “Liberte-se da fome emocional” 

Há alguns dias iniciei a leitura do livro “Liberte-se da Fome Emocional” e estou gostando muito do livro. Primeiro porque me identifico com os relatos da autora, depois, porque estou refletindo bastante sobre minha relação com a comida.
Logo que entrei na Meta Real, relatei que emagreci meus 10 primeiros quilos em apenas 2 meses e comendo de tudo. Uma das coisas que se aprende por lá, é que para nos relacionarmos saudavelmente com a comida, basta aprendermos ouvir nosso corpo. Então, as principais lições e exercícios são:
1 – Comer apenas quando sente fome.
2 – Parar de comer quando estivermos saciados.
3 – Dar ao corpo o que ele quer.
Esse exercício é simples, mas não é fácil.
Primeiro temos de entender que FOME e VONTADE DE COMER são bem diferentes. Depois, temos de aprender a identificar ambos, para aprender a controlá-los. Daí vem a parte mais difícil: parar de comer assim que a fome se vai… principalmente quando estamos nos socializando. É difícil pacas não pegar “só mais um palito de batata frita” ou, “só mais um copo de cerveja” ou, “só mais 2 ou 3 pedacinhos de carne no churrasco”. Não é fácil! Conseguiu visualizar as situações? Achou difícil? Então vai parecer impossível exercitar a terceira atividade, que é dar ao corpo o que ele quer. As situações que estimulam nosso apetite continuarão aparecendo todos os dias, mas cabe a nós estabelecermos os acordos pessoais e o bom senso em relação a comida. Eu tenho alguns acordos em relação ao período em que posso comer frituras, doces ou tomar cerveja. Cada um deve ter a sua e usar de bom senso para garantir a liberdade de comer de tudo. Alguns de vocês, terão de aprender a conviver com o hábito de não repetir o prato, mas isso se chama DISCIPLINA! E, como já dizia Renato Russo “Disciplina é liberdade!

“(…) Quando nos dizem que podemos comer o que quisermos, ficamos assustadas, pois não acreditamos nisso. Não para valer. Ainda há uma voz que diz: “Bem, talvez um cookie, mas sorvete não. Nem pão. Pense nas calorias. Pense nos quilos que vai ganhar. Não coma essas coisas. Você não pode”. Depois de anos contando calorias e ouvindo o que devemos comer, desenvolvemos uma definição rígida do que é ou não permitido comer: alimentos com baixas calorias é tudo o que podemos ingerir.”   

Na verdade, tenho em mente que não posso comer o que quiser sempre, se quiser emagrecer. Mas é possível comer de tudo se tivermos equilíbrio. Vocês não precisam comer o máximo que puder no natal, porque vocês poderão comer as mesmas coisas de vez em quando durante o ano, basta querer.
Estou resgatando esse ensinamento de ouvir o meu corpo. Outro dia queria comer açaí com frutas, então, substitui meu almoço. Se não comesse o açaí, ficaria pensando nele o dia todo e comendo várias coisas para tentar substituir meu desejo por açaí. No fim das contas, acabaria ingerindo mais calorias, sabe? Bom, como esse é meu post de “Feliz Natal” pra vocês, deixarei a última frase do capítulo, que gostei demais e diz assim:

“Enquanto existir essa voz dizendo “não é permitido”, enquanto existirem alimentos que você acha que não deveria comer, haverá uma sensação de luta e conflito. Enquanto existir luta, você comerá compulsivamente. Enquanto comer compulsivamente, você terá medo de comer o que quiser.”

11 Comentários


  1. Oi Cíntia!
    perfeito o post..uma reflexão daquelas ´pra gente copiar, colar e colocar na agenda, na área de trabalho do note, na porta da geladeira, enfim…
    Amei demais, porque estou trabalhando isso em mim. Sigo o método do MR, mas sem frequentar as reuniões (por enquanto), mas já participei.
    Estou aprendendo a cada dia a perguntar ao meu corpo o que ele quer comer..e quando sei o que quero comer, como na hora certa e com um prazer tão grande que logo me sinto saciada e mais confiante de estar no caminho certo.
    Achei ótimo o post por reforçar ainda mais a ideia de equilíbrio, que devemos ter sempre…é bem por aí mesmo. Afinal RA é estilo de vida e não dieta.
    Beijokas, parabéns pelo post e um Feliz Natal!

    Responder

    1. Como a própria autora diz: "(…) As dietas tiram de nós uma das poucas características que nos distinguem dos outros animais: a escolha." O negócio é equilibrar mesmo e seguir um plano. Por isso que em 2014, o PDCA estará presente mais que nunca no meu processo de eliminação. Bjs.

      Responder

  2. Passamos por algumas informações, mas parece que no dia a dia, nossa tendência é ignorar o que já sabemos,para fazer as coisas darem certo e atingirmos nossos objetivos! Nossa como seu texto me ajudou! Principalmente ao que se refere a identificar e diferenciar fome e vontade de comer! eu "como" tristeza, raiva r até alegria! Excelente dica ! Vou comprar o livro !
    bj
    Elaine

    Responder

    1. Lindeza, eu tenho em PDF, se quiser, te mando por e-mail… 🙂
      Realmente, comemos sem perceber, mas ter noção disso já ajuda. Um beijo e volte sempre.

      Responder

  3. Cintia, muito bom seu post de hoje! Tenho tratado isso no meu blog também! É muoto difícil conseguirmos trabalhar e incorporar esse entendimento com o nosso corpo e a comida! Gostei muito da sua indicação de livro, acredito que toda boa fonte de informação sobre este assunto é sempre útil para nós que sofremos com estas dificuldades.
    Força para nós!!
    Beijinhos

    http://diariodeumaqseexgordinha.blogspot.com.br

    Responder

  4. N UNCA ENCONTRO ESSA FOME GATONA… ULTIMAMAENTE ANDO ATE COMO FOME DE FICAR COM FOME… SABE QUANDO PARECE QUE VOCE NAO SABE RETORNAR AOS EIXOS? BEM ASSIM! UM BEIJO E MUITA FORÇA PRA NOS!

    QUEL

    SRAREDONDA.BLOGSPOT.COM

    Responder

    1. Engraçado que a autora diz que a maioria das pessoas dizem a mesma coisa pra ela: que não consegue encontrar essa fome hehehe mas ela diz tbm que, tds sabem, sim. Temos nossa voz interior, basta ouvir.

      Responder

  5. Eu li um outro livro dessa autora: Descobrindo o prazer além da comida. Ela foi ótima, muitas coisas parecem que foram escritas para mim!!!!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *